DOENÇAS DO CORAÇÃO

 

CAUSAS POSSÍVEIS DA DOENÇAS DO CORAÇÃO

  • doencas-do-coracaoHábito de fumar;
  • Estresse;
  • Vida sedentária;
  • Uso constante de bebidas alcoólicas;
  • Fatores influenciados pela má alimentação;
  • Obesidade;
  • Colesterol elevado;
  • Hipertensão;
  • Diabetes;

Associação Americana do Coração (AHA) calcula que acima de 60 milhões de norte-americanos têm algum tipo de norte-americanos têm algum tipo de moléstia cardiovascular. Acredita-se que a situação no Brasil seja semelhante, observando-se as devidas proporções.

Há fatos de risco que não são controláveis pelo paciente como: ficar mais velho ou o seu histórico familiar de doenças cardíacas. Realçamos, porém, que está em seu poder gerenciar alguns dos principais fatores de risco. Estes são os verdadeiros vilões que produzem as vítimas de doenças do coração.

Medidas Sugestivas

  • cigarroParar de fumar (é imperativo;
  • Adotar um programa de controle do estresse;
  • Fazer exercícios físicos apropriados (com profissional responsável);
  • Adotar práticas alimentares saudáveis;
  • Abundância de frutas, verduras e legumes crus;
  • Baixo uso de gorduras saturadas (frituras, gorduras, margarina);
  • Eliminado as fontes de colesterol (carne gordura, carne de porco, frango de granja, peixe de couro, frutos do mar, queijo amarelo, creme de leite, manteiga, toucinho, banha, embutidos).

“São  necessários 20-30 anos (ou até mais) para que os vasos fiquem obstruídos a ponto de apresentar sintomas. Fica evidente então a importância de criar nas crianças hábitos alimentares preventivos”.

PESQUISA

Crianças com colesterol alto

Uma pesquisa realizada pelo Hospital de Cardiologia de Laranjeiras, no Rio de Janeiro, mostra que 23% dos estudantes de escolas particulares, com idade entre 6 e 16 anos, apresentam níveis de colesterol acima da média. Foram ouvidas 343 crianças de oito escolas públicas e particulares. Nas públicas, o resultado é muito menor: apenas 4% dos alunos tinham colesterol alto.

Amento do colesterol infantil

Pesquisa do Departamento de Nutrição da Faculdade de Ciência Médicas da PUC — Pantifíca Universidade de Campinas — revela que 34, % das 1.600 crianças, com idade entre 7-14 anos, pesquisadas, têm hipercolesterolemia, o chamado colesterol alto. Deste total, 9,1% apresentam índices muito graves e serão acompanhados pelo Centro de Saúde da PUC.

Problemas coronarianos em jovens Norte-Americanos

Durante a guerra da Coréia, a autópsia de 300 soldados americanos que morreram com a idade média de 22,1 anos mostrou considerável envolvimento coronariano. A publicação dizia: “Em 77,3% dos casos, algum evidência de doenças coronarianas foi demonstrada variando de espessamento fibroso até oclusão completa de um ou mais ramos.”

Problemas coronarianos em jovens Norte-Americanos — (Vietnã)

” Um estudo de 105 soldados americanos mortos na guerra do Vietnã (cuja idade média era de 22,1 anos) mostrou algum desenvolvimento de arteriosclerose coronariano em 54% dos jovens Americanos do sexo  masculino. Envolvimento de mais de um vaso ocorreu em 25% deste grupo; e arteriosclerose aparentemente severa ocorreu em 25%.”

  • Seguir a distribuição saudável das refeições;
  • Desjejum abundante (reforçado);
  • Almoço médio;
  • Jantar bem leve;

O jantar leve mais indicado é composto frutas (1 a 3 tipos) e cereais integrais preparados de maneira variada. (Pode-se incluir iogurte desnatado se preferir).

As  diretrizes atuais incluem:

  • exerciciosÊnfase na obrigatoriedade urgente de adotar estilo de vida saudável;
  • Não fumar;
  • Alimentar-se de maneira saudável;
  • Praticar exercícios físicos;Submeter-se a exames médicos  periodicamente como um conjunto modelador de práticas vitalícias, podem diminuir em até 80% o risco de enfartes e derrames. O problema principal reside na resistência que os indivíduos apresentam na dificuldade de mudar seu estilo de vida. As desculpas, ás vezes , são tão repetidas e tão racionalizadas que as pessoas acabam aceitando isso como verdade definitiva e imutável. Por exemplo: é comum os sedentários dizerem “não tenho tempo para exercícios” ou “não posso pagar uma Academia”; os obesos frequentemente pensam “não como nada, e mesmo assim…” ou “não consigo gostar de frutas e verduras”, ou os rancorosos dizem “eu perdôo, mas não esqueço”, ou “é difícil deixar de pensar no mal que me fizeram”. Na realidade, mudanças são trabalhosas, e quanto mais arraigada no íntimo do indivíduo, mais difícil será substituir uma prática qualquer. È preciso, porém, lembrar-se de que existe a lei da causa e efeito.

ALIMENTAÇÃO

Alimentação indicada: rica em frutas, verduras e legumes variados, abundante em cereais integrais diversificados, moderada em alimentos protéticos, econômica em gorduras saturadas e sem fontes de colesterol.

Prefira os seguintes alimentos:

  • saladaFrutas: usá-las em abundância, com ênfase em uva, maça, pitanga, manga , goiaba, morango, kiwi, mamão, pêssego, melancia, caqui e abacaxi;
  • Verduras e legumes: abóbora, tomate, couve, brócolis, Couve-de-Bruxelas, chuchu, mandioca, inhame, escarola, agrão e rúcula;
  • Cereais: dê preferência aos integrais (aveia, milho, arroz, centeio, pães, biscoitos, massas e preparados feitos com eles);
  • No grupo proteico, faça uso moderado de: castanhas, sementes, iogurte, soja, germe de trigo, tofu, queijos brancos e frescos desnatados.

Obs: Se você usa carnes em seus cardápio, dê preferência a salmão, sardinha, manjuba e truta, em quantidades “econômicas”. Prepare-os grelhados, ensopados ou assados, mas não fritos.

Evite os seguintes alimentos:

  • Bebidas estimulantes (café, chá-mate, chá preto, Coca-Cola, guaraná em pó, chocolate);
  • Aqueles que contêm excesso de sal (cuidar com alimentos curados ou conservados no sal como: bacalhau, carne seca, azeitonas);
  • Carnes gordas, carnes vermelhas, frutos do mar, frangos de granja;
  • Queijos amarelos e/ou envelhecidos;
  • Embutidos e fast-food;
  • Creme de leite, manteiga, leite integral;
  • Gema de ovo.

 

Deixe Seu Comentário