kanikama dicas de saúde

kanikama dicas de saúde

Kani-kama é um bastão feito com carne de peixe, e sabor imitação de carne de caranguejo, típico do Japão. Nos mercados pode-se encontrar versões de pacotes já embalados dessa iguaria com a descrição “bastonetes de surimi congelados com sabor imitação carne de caranguejo”. Geralmente são usados principalmente nas saladas e sanduíches, sendo consumido cru ou cozido.

Sabe-se que há em sua composição conservantes que podem ser prejudiciais à saúde se consumidos em excesso, mas será que o kani engorda? Ou pode ser que o kani emagrece, sendo um alimento aliado nas dietas?

Valores nutricionais

Sabe-se que a kani é uma boa fonte de proteínas: em 100 gramas de kani, há 7 gramas do nutriente. E em 1 pedaço com 14 gramas há 16 calorias. Entretanto, o alimento não fornece fibras e é completamente industrializado, sendo um problema para quem gosta de viver de forma saudável, fugindo de alimentos processados e buscando sempre alimentos naturais, frescos e orgânicos.

PorçãoCaloriasProteínasGordurasCarboidratos
14 g161 g0 g2,2 g

Mais então , Kani engorda ou emagrece?

O kani engorda ou na verdade ele ajuda a emagrecer? Qualquer alimento quando consumido em excesso pode contribuir para o ganho de peso. Claro que optar por peixes crus traz menos risco de engordar, mas aqueles que vêm acompanhados de arroz se consumidos em excesso podem aumentar seu consumo de carboidratos, por isso, atenção. No caso do Kani, as pessoas geralmente pensam que estão comendo um pedaço de peixe ou caranguejo. E sendo proteína magra não teria qualquer risco de engordar.

Não é bem assim. Como já vimos no começo do artigo, o kani tem carboidratos e em quantidade pode atrapalhar, por exemplo, quem está fazendo uma dieta de proteínas, com restrição de carboidratos.

Por outro lado, não é comum a pessoa comer várias unidades por vez. Geralmente a pessoa come algumas unidades misturadas em uma salada, por exemplo. Ao comer 4 unidades de uma só vez, estará comendo menos de 9g de carboidratos e 64 calorias. Ou seja, não é nada que irá engordar por si só.

No entanto, com relação ao processo de fabricação, vale mencionar que o kani ficou conhecido como “salsicha do mar”, devido às quantidades de corantes e outros componentes artificiais. Ele é mais saudável do que a salsicha tradicional por ser processado à base de peixes, mas mesmo assim, não é a opção mais natural.

Porém, se o consumo for um pouco maior, não estaria errado considerar que ele possa causar ganho de peso, principalmente por conter muito sódio e isso irá gerar retenção de líquido no corpo, fazendo seu peso aumentar.

Componentes

Para quem não sabe, o surimi é um composto de peixes, geralmente merluza, que é triturada, lavada e peneirada com o intuito de eliminar a pele, escamas e espinhas. Ao finalizar esse processo obtém-se uma pasta sem cor e nem cheiro. Então, as coisas ficam um pouco mais nebulosas, pois os fabricantes de kani podem adicionar aromatizantes, corantes e outros conservantes, até mesmo o famoso glutamato monossódico, que é utilizado em inúmeros alimentos processados para realçar o sabor dos alimentos, mas que pode trazer prejuízos à saúde a longo prazo.

Assim, uma embalagem de kani contém 8 surimis, água, óleo vegetal, amido, clara de ovo, sol, sorbitol (espécie de adoçante) e açúcar. Para compor essa mistura coloca-se 1 aromatizante sabor caranguejo, o glutamato monossódico, 2 corantes (geralmente páprica e cochinilia) e polifosfato de sódio.

Percebe-se portanto que este alimento é cheio de ingredientes processados e conservantes, o que está longe de ser um produto natural e principalmente orgânico. O kani também contém glúten, devendo ser evitado por celíacos ou pessoas que restringem o glúten por opção na dieta. Este alimento também é rico em sódio, como dito acima; sabe-se que em apenas um bastonete há 116 mg de sódio, sendo que o máximo que se pode ingerir por dia é 2g.

Como tornar a comida japonesa mais saudável?

Evite o shoyu tradicional comercializado em mercados, dando preferência a esse molho na versão light. Alguns restaurantes japoneses oferecem as duas versões, para ambos os gostos. O shoyu light pode chegar a ter 35% de menos sódio, sendo assim uma opção mais saudável para integrar na dieta e receitas japonesas.

Uma forma de atenuar a quantidade de sódio do shoyu é colocar limão e azeite na composição, tornando-o mais saudável. Evite mergulhar os alimentos completamente no shoyu, o correto e mais saudável é apenas mergulhar uma pontinha, apenas para salgar o alimento. Evite consumir o guioza, tempurá, hot roll, tepan, sushi, shoyu e sakê em excesso, pois são alimentos bem calóricos da culinária japonesa.

Dê preferência aos cogumelos como o shitake e shimeji, ao sashimi, missoshiru, algas e até mesmo os doces japoneses, que de vez em quando são muito mais saudáveis que os brasileiros como manju, mochi, dorayaki, daifuku, yokan e taiyaki. Elas são mais saudáveis porque não levam ingredientes calóricos como chantilly, creme de leite, doce de leite, leite condensado e outros cremes calóricos, mas são geralmente à base de arroz, batata doce, feijão e abóbora. Na dúvida, consulte um nutricionista para saber sobre as porções que podem ser ingeridas sem interferir na sua dieta.

kanikama dicas de saúde

Encontre nossa página no  Google+  Facebook

lilica

Olá , “O segredo da saúde mental e corporal está em não se lamentar pelo passado, não se preocupar com o futuro, nem se adiantar aos problemas, mas viver sábia e seriamente o presente.”dicas de saúde, bem estar, cuidado com corpo e mente saudável . invista em você !! tenha uma boa qualidade de vida.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *